Doenças Respiratórias

at Av. Nossa Senhora de Copacabana 788 sala 1001 Copacabana, Rio de Janeiro, 20 050 001 Brazil

Doenças Respiratórias é uma das causas mais frequentes de procura de atendimento nas emergências e consultórios que muitas vezes são confundidas.


Doenças Respiratórias
Av. Nossa Senhora de Copacabana 788 sala 1001 Copacabana
Rio de Janeiro , RJ 20 050 001
Brazil
Contact Phone
P: 22361353 22352332
Website
-

Description

Essa pagina foi criada com a intenção de esclarecer qual é a melhor forma de chegar ao conhecimento de uma doença e como proceder.

Opening time

  • Mondays: 09:00- 12:00
  • Tuesdays: 09:00- 12:00
  • Thursdays: 09:00- 12:00
  • Fridays: 09:00- 12:00

Company Rating

2 Facebook users were in Doenças Respiratórias. It's a 69 position in Popularity Rating for companies in Doctor category in Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

8300 FB users likes Doenças Respiratórias, set it to 26 position in Likes Rating for Rio de Janeiro, Rio de Janeiro in Doctor category

Na próxima quarta-feira estarei falando sobre um assunto muito importante. Nódulos Pulmonares e Radiografias de Tórax, qual a importância de guardar um exame. Também estarei publicando um novo vídeo, com link no YouTube sobre tosse assunto já publicado. Espero que gostem.

Published on 2015-08-21 17:47:28 GMT

Bom dia amigos. Hoje falaremos de uma doença chamada Fibrose Cística, também conhecida como Mucoviscidose ou Doença do Beijo Salgado. A fibrose cística também conhecida como Mucoviscidose, é uma doença genética, hereditária, ou seja, passa de pai/mãe para filho (a). Sua principal característica é o acúmulo de secreções mais densas e pegajosas nas vias aéreas, no trato digestivo e em outras áreas do corpo. A fibrose cística produz uma secreção densa e pegajosa que chamamos de muco, causando obstrução dos brônquios, podendo levar a infecção respiratória, como pneumonias de repetição e também no pâncreas ocasionando problema grave digestivo. É provocada por um gene defeituoso que altera a consistência do muco, ocasionando obstrução nos brônquios. Afeta também as glândulas sudoríparas e o sistema reprodutivo masculino. A fibrose cística é diagnostica normalmente até os dois anos de idade, porém em alguns casos, após os 18 anos ou mais, uma forma mas branda da doença. O histórico familiar é o principal fator de risco, já que se trata de doença genética, hereditária. Entre os sintomas mais comuns que variam de acordo com a idade do paciente encontramos: No recém nascido tosse com secreção, dificuldade para ganhar peso, obstrução intestinal, casos de desidratação, distensão abdominal, sabor muito salgado na pele ou suor mais salgado que o normal. Com o crescimento encontramos desnutrição, dificuldade para ganhar peso, tosse crônica com secreção espessa, casos de sinusite crônica, pneumonias de repetição, bronquiectasias, cirrose biliar, diabetes por comprometimento pancreático e infertilidade. Em casos de pneumonia, febre, perda de peso, saliva com presença de sangue e distensão abdominal, procure um especialista para avaliação e diagnóstico. O medico poderá realizar alguns exames, como teste do suor, teste do pezinho que é feito na maternidade ao nascimento e teste genético. Exames como radiografia do tórax, tomografia, função pulmonar, função pancreática, pesquisa de gordura nas fezes, estimulação de secretina, tripsina e quimiotripsina também nas fezes e exame serio gráfico podem ser feitos. Ela é conhecida como doença do beijo salgado pela maior concentração de sódio no suor, que torna a pele mais salgada. O tratamento envolve muitos profissionais, é multidisciplinar. O tratamento em casos de doença respiratória inclui: • Antibióticos para prevenir e tratar de infecções nos pulmões. • Medicamentos inalados para ajudar a abrir as vias respiratórias. • Terapia de substituição de enzima para afinar o muco e facilitar a expectoração e eliminação da secreção. • Alta concentração de soluções salinas. • O transplante de pulmão é uma opção em alguns casos, principalmente quando o caso é muito avançado, com alteração da ventilação Tratamento de problemas intestinais e nutricionais pode incluir: • Dieta especial rica em proteínas e calorias para crianças maiores e adultas • Enzimas pancreáticas para ajudar a absorver gorduras e proteína • Suplemento vitamínico especialmente vitamina A, D, E K. Deve se evitar o fumo, poeira domiciliar, produtos químicos domésticos e fumaça no ambiente para evitar irritação das vias aéreas e infecções pulmonares. Beber bastante líquido, realizar exercícios físicos deve ser estimulado e aspirar às vias aéreas quando houver muita secreção, tornando as vias mais pérvias, melhorando a ventilação aérea. A fibrose cística não tem cura e o tratamento ajuda a retardar a progressão da doença e aparecimento de fibrose pulmonar. Com os tratamentos atuais, no entanto, os pacientes possuem expectativa de vida mais longa do que há alguns anos. O problema é que, com o passar dos anos, a doença pulmonar piora e a pessoa pode ficar incapacitada, podendo levar a morte. Não existe maneira de prevenir a doença e fazendo triagem de possíveis portadores do gene em pessoas com historia familiar, você pode detectar de 60% a 90%, dependendo do teste realizado para este fim.

Published on 2015-08-19 11:00:00 GMT

Boa tarde amigos. Nesta quarta-feira, estarei publicando o primeiro vídeo com link do YouTube. E também abordando um assunto interessante _ Fibrose Cística_ também conhecida como Mucoviscidose ou doença do beijo salgado, uma doença pouco conhecida pelos leigos, mas muitas vezes de evolução grave.

Published on 2015-08-17 16:11:33 GMT

O que é DPOC A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) é uma doença crônica ligada ao tabagismo que, como o próprio nome diz, acomete os pulmões e causa dificuldade para respirar. A DPOC tem dois componentes, o enfisema pulmonar - que é a destruição dos alvéolos, e a bronquite crônica – a inflamação dos brônquios. A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) refere-se a um grupo de doenças pulmonares que bloqueiam o fluxo de ar, tornando a respiração difícil. Existem duas formas principais de DPOC. A maioria das pessoas com DPOC tem uma combinação dessas condições: • Bronquite crônica, que envolve tosse prolongada com muco • Enfisema, que envolve a destruição dos pulmões ao longo do tempo. As vias aéreas possuem na mucosa, glândulas brônquicas, que aumentam de tamanho, produzindo maior quantidade de muco, que é secretado para dentro dos brônquios ocasionando obstrução aérea a passagem dor ar, cílios que estão presentes e auxiliam na limpeza brônquica, são destruídos e a musculatura brônquica sofre um espessamento, aumentando à resistência a passagem do ar inspirado e diminuindo a saída do ar expirado. O mecanismo da doença é o processo inflamatório ao longo do tempo que altera a mucosa brônquica e provoca perdas dos cílios, com retenção de muco, dificultando a respiração em longo prazo. Os sintomas principais são a tosse crônica persistente, a inflamação com secreção espessa, chiado no peito, falta de ar e cansaço. A doença demora em media 20 anos para se manifestar por completo, o que faz o doente pensar que a causa é o envelhecimento. Infecções frequentes, cianose das unhas e falta de energia são outras manifestações. A espirometria é um exame que ajuda no diagnóstico, assim como a radiografia, a tomografia, a gasometria (dosagem dos gases) arterial e o exame clínico. O enfisema de pulmão é a destruição dos alvéolos, parte final da árvore brônquica, devido à retenção aérea, que por um mecanismo valvular aprisiona o ar dificultando sua saída e comprimindo por distensão estruturas adjacentes levando o individuo a um esforço respiratório para exalar o ar inspirado. Uma das características dessa doença são a distensão aérea pulmonar, com o aprisionamento aéreo e diminuição do ruído aéreo ao examinar o paciente. Há três tipos de enfisema. O enfisema centrolobular, o tipo mais comum, destrói os bronquíolos, geralmente nas regiões superiores do pulmão. A inflamação desenvolve-se nos bronquíolos, mas geralmente o saco alveolar permanece intacto. O enfisema panlobular destrói as paredes alveolares mais distais, envolvendo mais comumente a base pulmonar. Esta destruição das paredes alveolares pode ocorrer secundariamente a infecções ou a agentes irritativos (mais frequentemente, a fumaça de cigarro). Estas duas formas de enfisema, coletivamente chamadas de enfisema centroacinar, ocorrem geralmente em fumantes. O enfisema parasseptal (ou panacinar) destrói os alvéolos dos lobos inferiores dos pulmões, resultando em bolhas isoladas ao longo da periferia pulmonar. Outros autores acrescentam que, além do enfisema centroacinar e do enfisema paracinar, deve ser lembrado o enfisema pericicatricial (ou paracicatricial ou de cicatriz), cujas lesões são bronquiolares e parenquimatosas. Ambas as doenças são ocasionados principalmente pelo tabagismo de forma crônica e são responsáveis pela terceira causa de morte no mundo. O diagnostico da doença não é feito só pelos sintomas é preciso um histórico focando na quantidade e duração desses sintomas e hábitos ocupacionais e de fumo.

Published on 2015-08-12 11:00:00 GMT

Bom dia meus amigos, desejo um feliz dia dos pais, com muita saúde para todos e um bom domingo.

Published on 2015-08-09 00:03:13 GMT

Bom dia amigos. Na próxima quarta-feira estarei falando sobre Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Enfisema Pulmonar e Bronquite Crônica Tabágica.

Published on 2015-08-08 11:09:31 GMT

Em breve outros assuntos que considero importante e algumas sugestões dos leitores.

Published on 2015-08-07 22:18:12 GMT

Boa tarde amigos. Em breve estarei associando pequenos vídeos explicativos aos assuntos já publicados e respondendo algumas perguntas que foram formuladas por vocês e que ainda podem enviar.

Published on 2015-08-06 18:46:44 GMT

Hoje falaremos de dois sintomas que se confundem: Falta de ar ou cansaço. A função respiratória ou ventilação consiste na entrada de ar pelas vias aéreas, sabendo que no ar inspirado encontramos uma concentração de oxigênio de 21%, junto com outros elementos como nitrogênio, gases nobres e vapor de água. O ar inspirado alcança os alvéolos, parte final dos brônquios e ao penetrar ultrapassa sua membrana, onde se associa as hemácias, que estão presente nos vasos sanguíneos encontrados na superfície do alvéolo e deixa em troca, o dióxido de carbono produzido nas células, levando consigo a molécula de oxigênio. Para cada hemácia uma molécula de oxigênio é aderida e uma molécula de dióxido de carbono é deixada, fazendo o que nós chamamos de saturação das hemácias pelo oxigênio, sendo que a saturação normal é em torno de 98%. A ventilação respiratória se processa nessa dinâmica e qualquer alteração faz cair à quantidade de oxigênio na circulação ocasionando sensação de falta de ar. Existem vários fatores que interferem nesse processo como: obstrução dos brônquios por espasmo nos casos dos asmáticos, presença de muco nas vias áreas, corpo estranho, presença de liquido dentro dos alvéolos como nos quadros de edema agudo de pulmão, embolia pulmonar e pneumotórax dificultam assim, a entrada de ar e a troca gasosa. A destruição dos espaços aéreos nos casos de enfisema, pneumonias, fibroses pulmonares diminuem a área de troca ocasionando baixa oxigenação, como também a trombose de vasos sanguíneos (entupimento). Algumas doenças metabólicas com diabetes e hipotireoidismo também contribuem falta de ar e cansaço. Locais onde o ar é rarefeito, como em grandes altitudes também contribuem para diminuir a troca, por baixa oferta de oxigênio, assim como casos de anemia. Quando isso ocorre à falta de ar se faz presente, com diminuição da saturação e conseqüentemente sensação de falta de ar ou dispnéia como chamamos. A dificuldade de respirar leva a um esforço da musculatura respiratória com desenvolvimento e aparecimento de cansaço, que normalmente aparece pela fadiga da musculatura utilizada. Sempre que desenvolvemos qualquer atividade em excesso, como corrida, subir locais elevados, andar longas distâncias temos a sensação de falta de ar, mais não existe efetivamente dificuldade na troca gasosa e ventilação, onde observamos uma saturação das hemácias normais. Há casos de indivíduos que apresentam sensação de falta de ar por motivos de ansiedade, como por exemplo, nas síndromes de pânico, onde sua respiração parece não completar e ele desenvolve uma dispnéia subjetiva (Dispnéia Suspirosa), ele sente, mas ao ser observado não se percebe. Assim sendo, falta de ar se traduz pela ventilação respiratória alterada e cansaço pelo esgotamento da musculatura utilizada.

Published on 2015-08-05 11:00:00 GMT

Amigos ao visualizarem a página, não deixem de fazer suas avaliações e comentários.

!-- Global site tag (gtag.js) - Google Analytics -->