Lucacred - Goiania

at , Goiânia Brazil

Emprestimos e Consignacoes de Credito


Lucacred - Goiania

Goiânia
Brazil
Contact Phone
P: 62-3088-8450
Website
-

Description

Promotora de Creditos e Consignacoes Emprestimos para funionarios publicos em geral aposentados e pensionistas do inss Trabalhos com emprestimo no cheque Compramos dividas de todos os bancos e convenios

Opening time

  • Mondays: 07:00- 18:00
  • Fridays: 07:00- 18:00

Company Rating

134 FB users likes Lucacred - Goiania, set it to 8 position in Likes Rating for Goiânia in Bank/financial services category

MP investiga quadrilha no Cruzeiro Autor(es): Por Carolina Mandl Valor Econômico - 19/09/2012 O Ministério Público Federal em São Paulo afirmou que os ex-controladores do Cruzeiro do Sul, Luiz Felippe e Luis Octavio Indio da Costa, mais um ex-conselheiro e uma ex-diretora do banco são investigados por formação de quadrilha. "Eles teriam se unido de maneira estável e estruturada para administrar o banco de maneira fraudulenta", disse o Ministério Público em nota, que também apura lavagem de dinheiro. Segundo o Valor apurou, os investigados são Maria Luisa Garcia de Mendonça, das áreas de contabilidade e controles internos, e Horácio Martinho Lima. Ontem, a Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão na casa de Luis Octavio, em São Paulo, e em uma empresa, no Rio de Janeiro, que pode ter sido usada para a ocultação de bens adquiridos ilicitamente. O nome da empresa não foi informado. Segundo o Ministério Público, as operações de fraude no banco resultaram em um lucro artificial que, por sua vez, gerou o pagamento indevido de R$ 90 milhões aos acionistas. "Desse total, R$ 63 milhões teriam sido destinados aos então controladores do banco", afirmou o Ministério Público. Procurado pela reportagem, Roberto Podval, advogado dos ex-controladores do banco, não comentou as afirmações. "Muito me espanta a divulgação de informações de um caso que corre sob segredo de Justiça."

Published on 2012-09-19 11:26:08 GMT

BC estimula captação de bancos médios Autor(es): Por Carolina Mandl | De São Paulo Valor Econômico - 18/09/2012 A mesma medida do Banco Central adotada na sexta-feira que liberou R$ 30 bilhões de depósitos compulsórios dos grandes bancos contempla uma série de mudanças para estimular as instituições maiores a financiar os pequenos bancos. A decisão do BC saiu no mesmo dia da liquidação do Cruzeiro do Sul, que deve dificultar ainda mais a captação dos bancos médios.

Published on 2012-09-18 19:55:26 GMT

Bancos miram empresas privadas no consignado Autor(es): Por Felipe Marques | De São Paulo Valor Econômico - 17/09/2012 Os empréstimos com desconto em folha de pagamento nasceram no setor público e têm entre funcionários do governo e aposentados seus tomadores mais tradicionais. Agora, porém, o desafio dos bancos é popularizar o consignado na iniciativa privada, que representa cerca de 15% do saldo de operações na modalidade. O momento favorece o foco no trabalhador privado, pois os grandes bancos ocupam hoje o lugar que já foi de instituições pequenas e médias na liderança do segmento. Como os bancos maiores têm uma rede ampla de relacionamento com empresas, isso os ajuda a diminuir o principal risco do consignado privado: a maior rotatividade de empregados. Em julho, o saldo das operações de crédito consignado para funcionários privados era de R$ 26,6 bilhões, enquanto o saldo total da modalidade estava em R$ 177,9 bilhões. A fatia do crédito a servidores públicos e aposentados do INSS é de R$ 150,6 bilhões. Os dados são do Banco Central. O consignado responde por 59% do estoque de crédito pessoal no Brasil e deve ultrapassar o crédito de veículos como principal modalidade de financiamentos para pessoa física. Em julho, a taxa anual de crescimento do estoque de crédito consignado no sistema foi de 16,9%. A velocidade já é maior entre os trabalhadores privados (21,2%) do que nas operações do setor público e aposentados (16,2%). No Bradesco, a carteira de crédito consignado privado deve crescer cerca de 20% no ano, ritmo menor que o do consignado como um todo, que deve avançar entre 26% e 30%. Porém, segundo o diretor de empréstimos e financiamentos do banco, Octavio de Lazari Junior, essa tendência deve se inverter no médio prazo. Ele avalia que o setor público está próximo do limite de crescimento, favorecendo o consignado privado. Há duas razões principais para a vantagem do setor público para os bancos. Primeiro, o trabalhador público está acostumado com o consignado e a tecnologia de órgãos do governo, em geral, está pronta para operar a modalidade. Segundo, a estabilidade do emprego público é maior. Uma rotatividade mais alta aumenta o risco da operação para o banco. Só que os grandes bancos têm um trunfo que os pequenos e médios não tinham na hora de fazer o cálculo desse risco. Como já têm relacionamentos bancários com empresas privadas, em especial na gestão de folha de pagamentos, conseguem estimar a rotatividade com mais precisão. "A rotatividade é o calcanhar de Aquiles do consignado no setor privado", afirma Rogério Estevão, superintendente executivo do Santander, que pondera que não há uma "solução pronta" para minimizar os efeitos da mudança de empregados. "Nas empresas que nos terceirizam a folha de pagamento, o consignado não é uma operação tão complicada", diz. "A tendência é acelerar a velocidade do crédito consignado no setor privado", afirma Estevão. O risco de rotatividade encarece o consignado, mas a diferença de taxas não é tão significativa, afirmam os bancos. No Bradesco, em média, a taxa do consignado privado é 10% superior ao público. "Mas há casos até em que o consignado privado é mais barato que o público", diz Lazari, citando o consignado em grandes multinacionais. A taxa de juros média do crédito consignado foi 24,6% ao ano em julho, segundo o BC. O Banco do Brasil, que tem a maior carteira de consignado do mercado (R$ 54,9 bilhões), afirma ter hoje maior "conforto" em operar no consignado privado. "Essa carteira está hoje onde o consignado público estava em 2003", diz Marcelo Augusto Labuto, diretor de empréstimos e financiamentos do banco. No BB, o consignado privado é 5,2% do total. "No consignado privado, é preciso avaliar e estabelecer o preço caso a caso, diferentemente do que ocorre no público. No crédito para funcionário público é basicamente a mesma taxa para os diferentes clientes dentro de um mesmo convênio", afirma Cristiano Malucelli, diretor de relações com investidores do Paraná Banco. O BB diminuiu o problema mapeando setores de maior ou menor rotatividade. O setor de serviços, por exemplo, tem empresas em que a permanência média é de oito meses, relata Labuto. Ou seja, com prazos variando entre 36 meses e 52 meses, é impossível viabilizar o consignado nessas empresas. Já os segmentos de metalurgia, automóveis e alimentação têm as maiores estabilidades.

!-- Global site tag (gtag.js) - Google Analytics -->